Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, Secretaria Municipal de Cultura
apresentam

“Vida longa ao CopaFest”

4 de novembro de 2013

Pelos corredores do Copacabana Palace, na noite do baile CopaFest que encerrou a sexta edição do festival, circulou um público entusiasmado com a música instrumental brasileira. Gente de diferentes idades, que conhecia muito ou nem tanto o homenageado da noite, Érlon Chaves.

Havia, sim, quem estava ali para conferir de perto e curtir Max de Castro mandando ver num repertório voltado ao grande maestro Érlon. Mas também havia uma turma marcando presença para acompanhar o Bondesom, grupo carioca jovem que faz som dos melhores e vem conquistando um público exigente na cena instrumental.

Nos depoimentos que tivemos, ninguém lançou menos que “sensacional” e “maravilhoso” para avaliar os shows daquela noite, como se pode ver no vídeo abaixo. A boa notícia, apesar de esta edição ter chegado ao fim, é que o curador e idealizador do evento, Bernardo Vilhena, diz que o CopaFest funciona como escola de samba. “Acaba uma edição, uma semana depois temos uma reunião de avaliação e começamos a pensar no CopaFest seguinte”, comentou Vilhena na noite de encerramento. No vídeo abaixo, ele fala brevemente sobre os caminhos do festival ao lado da também curadora Carol Rosman.
Confira também:
Vídeo:  Trecho dos shows de Tomás Improta e Raul de Souza Quinteto
Vídeo: Depoimentos e Trecho dos shows de DuoElo e Wagner Tiso com Som Imaginário

Comentários